Boas Festas?



E a época das festas que marcam o findar de mais um ano, embora sempre fique, ao menos para mim, a estranha sensação de que o último natal aconteceu há apenas alguns dias atrás, está se aproximando.

Em vez de me proporcionar apenas alegria e entusiasmo, devo confessar que as luzes e papais noéis espalhados pela cidade, parecem mexer com os meus sentimentos de uma forma um pouco estranha.

Não sei ao certo o porquê do desconforto e da certa melancolia que essa época do ano me traz.Seria pela comercialização de algo que, supostamente, deveria ser motivo de reflexão? Não seria hipócrita a ponto de dizer que sim, pois presentear e ser presenteada ainda me alegra da mesma maneira que quando eu tinha 7 anos de idade.

Acho que o problema está no conjunto de pequenas imposições que foram, ao longo do tempo, socialmente construídas e que fazem, ainda que disfarçadamente, parte destas datas.

É a ceia de natal em que o chester, as frutas e os fios de ovos jamais podem faltar, e a festa de ano novo com taças cheias de champagne ao som de fogos de artifício.

Não que tudo isso não seja importante. Acredito que quaisquer motivos que sirvam para aproximar familiares, renovar e estreitar a intimidade das relações e trazer o mínimo de alegria e esperança, sejam totalmente válidos e justificáveis por si só.

Aqueles que podem e sentem prazer em honrar tais tradições, tem mais é que o fazer. Devem mesmo investir e procurar por tudo aquilo que lhes traga à tona sentimentos bons.

A questão é que, sinto que somos ensinados a crer que tudo que foge a estes padrões, não é mágico, não é completo e muito menos feliz.

Me pergunto se as guirlandas impecavelmente penduradas nas portas de algumas pessoas não estão lá unicamente pelo fato de que os seus vizinhos também as têm.

E, nessa obrigação de sermos felizes, me preocupo com aqueles que acabam, não de forma genuína, mas por pura influência externa, automaticamente priorizando os comes e bebes e a quantidade de pessoas que estarão ao seu redor e esquecendo de relaxar, de curtir aquilo que realmente é importante para eles, de prolongar o abraço.

Talvez, se não despejássemos nessas datas uma importância maior do que a que depositamos no restante de nossos dias, a saudade dos que já partiram e a tristeza da menina que não pôde ganhar um presente porque os pais não tinham condições de comprar, seriam menores.

Se, ao contrário, pegássemos essa necessidade de abundância, de estar perto, de confraternizar e dizer palavras bonitas, e buscássemos aplicá-la também ao nosso cotidiano, as pobres das datas festivas não carregariam tamanha responsabilidade, o estômago não seria o único a ficar cheio e os fogos brilhariam no olhar das pessoas.

Patrícia Pinheiro
Blog Widget by LinkWithin


Comentários via facebook

8 comentários:

  1. acho que o natal deixa todos um tanto quanto melancolico, não? deve ser porque cai a ficha de que mais um ano se foi... o importante é vermos essa data com o verdadeiro significado que ela possui e fazermos de tudo para no prox natal estarmos orgulhosos do ano que se passou! =)

    www.3littlebirds.com.br

    ResponderExcluir
  2. Eu realmente não gosto do natal... nunca gostei muito. E esse ano passarei o natal sem minha vó, mais um motivo pra não gostar mesmo. Queria poder ficar quieta na minha no dia 25 mas não vou poder :(
    Não entendo pessoas que gostam do natal. A correria, o estresse que é. Pessoas enlouquecendo e saindo as compras quase todos os dias... época para realmente não relaxar.

    ResponderExcluir
  3. Gostei do texto.
    Eu gosto dessa época do ano, me inspira. Apesar de algumas pessoas perder o real sentido dessa época, (pois se soubesse realmente aplicariam para a vida toda e não só um mês). Eu acho que pelo menos temporariamente temos pessoas melhores, e ainda acredito q algum dia elas seguiram assim, sempre. Pois apesar de correrias com comprar presentes, roupas, etc. Eu sinto mesmo é uma paz e força de renovação interior. Ajuda também por ser o mês do meu aniversário, mas enfim. rsrs
    Sucesso com o blog! Beijos.

    www.inovandoconceitos.com/

    ResponderExcluir
  4. Lindo texto, Patrícia!
    Essa época também chega com melancolia pra mim! São tantas coisas para pensar, não é? Relembrar como foi o ano, pensar em novos planos, enfim, desejar um ano melhor!
    Espero que 2014 venha com muitas coisas lindas pra você, viu?

    Beijos,
    Leitora Online

    ResponderExcluir
  5. Olá, acabo de visitar seu blog e segui-lo. Lhe desejo foco, sucesso e força. Que conquiste muitas realizações através do mesmo. E também convido você e seus/suas leitores/leitoras a conhecer o meu blog: toobege.blogspot.com.br . Beijinhos e espero você lá também *0*

    ResponderExcluir
  6. Bom texto, o mais importante dessa data é passarmos com a família e mantermos esse clima bom durante o resto do ano também

    Bom ano novo

    bjos

    ResponderExcluir
  7. As festas de fim de ano sempre trazem um clima de alegria. Mas, originalmente, elas foram criadas pelos comerciantes -gananciosos- para ganhar mais dinheiro. E claro, não podemos deixar de lado o clima de união, seja ela de família ou amigos. Depois que as festas acabam, eu fico me perguntando o ano todo: Por que não seguimos com esse clima de união o ano todo?.
    Pois se essa união traz felicidade no fim de ano, ela poderia muito bem trazer felicidade o ano todo. Enfim, mais um texto maravilhoso da grande Patrícia!

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar, sua opinião é muito importante para mim!
Se tiver um blog, não deixe de colocar o link para que eu possa visitá-lo também.